28 abril 2006

O Ténis e o Desporto em Minde

Na sequência do "post" anterior sobre o Open do Estoril, fui incentivado por um comentarista a «inquirir a n/ Câmara, a n/ Junta e o Clube de Ténis de Minde acerca dos projectos que há para a zona desportiva em relação ao ténis».
É justa e pertinente a sua preocupação, mas, antes de mais, gostava de esclarecer que o objectivo deste blog não é criticar indiscriminadamente A, B ou C, nem servir de árbitro ou juiz, mas apenas a de manifestar (sem papas na língua) a minha simples opinião de cidadão sobre o quotodiano de Minde e da vida.
Fui um entusiasta colaborador do Projecto do Parque Desportivo de Minde e do Pavilhão Gimnodesportivo, e, na m/ modesta opinião, posso acrescentar que não é neste capítulo que Minde está mais carenciado. Recentemente tivemos as piscinas, temos o pavilhão, temos o campo relvado, e ambas as infraestruturas estão a funcionar. Penso que nesta área a CMA tem cumprido aquilo a que se propôs. É certo que muito mais se poderia fazer, e acho que a prioridade deveria ser a construção da sede do Vitória, bem como a do mini-ginásio que foi amputado ao Pavilhão, e que, com custos mínimos, muito seria útil e facilmente rentabilizado. Sobre estes dois assuntos, prometo que brevemente virei a escrever.
Acerca do Clube de Ténis Minde, nada sei sobre possíveis verbas existentes, mas posso acrescentar que no projecto do Parque Desportivo, este complexo incluía a construção de mais dois campos de ténis e de um "bate bolas". Na conjectura actual, entendo que não são obras primordiais (em Minde existem ainda mais três campos privados), mas é pena que o Clube de Ténis esteja inactivo e que o actual campo de ténis esteja tão abandonado e sem arranjos exteriores que o valorizem. Seria uma infraestrutura também a rentabilizar e com grandes margens de desenvolvimento.
Mas não podemos só criticar. Haja alguém que "meta mãos à obra" e que se empenhe e faça algo pelo assunto. Os aficcionados do ténis têm aqui "matéria".
Como eu já tenho afirmado : As obras não caiem do céu. Também é preciso empenho da população. Bem haja, e mandem sempre.

4 comentários:

Joia do Nilo disse...

Para quê mais campos de ténnis se o que existe está às moscas.

Álem disso, e não querendo ser má lingua, já vos passou pela cabeça que a Câmara não tem obrigação de DAR nenhuma sede a nenhuma colectividade. Deve DAR, mas não tem essa obrigação.

pm disse...

Será que a Joia do Nilo leu devidamente o meu texto ? Não defendo a idéia de mais campos nem de que a câmara deve dar alguma coisa.

Chance Man (ex-JJ) disse...

Meu caro PM,

Ninguém está a criticar (pelo menos Eu) indiscriminadamente ou a ser juiz ou júri de alguém. Essa tarefa deixo para outros, que já cá andam há mais tempo que eu...

Quanto aos campos de ténis, mais uma vez sou obrigado a concordar com V. Exa. em toda a linha. realmente, em termos de desporto e respectivas infra-estruturas, Minde já está muito bem servido. Aliás, as pessoas do VFCM nem têm grande razão de queixa dos ICA’s, uma vez que no último mandato as coisas correram-lhes muito bem.

Só que há ainda muito iluminado que, quando está com alguém da câmara ou a discutir estes assuntos só vê o Vitória, o Vitória. Só isso lhes interessa, e estão-se a “cagar” para o resto.

Isso é ser bons Mindericos? Não me parece...


Quanto ao comment anterior, deixe-me que lhe diga, minha cara, que Minde só ficaria a ganhar se se apostasse no desporto, cultura, etc.. Não se perdia nada e o investimento não nos parece nada por aí além.

Já viu quanto é que custou o carro do Presidente da Câmara e de um vereador?
Já viu quanto é que está previsto gastar no Museu da Pele?
Já viu quanto é que gastaram ou vão gastar no arranjo da casa da cultura de Alcanena?

É que, nestas coisas, temos sempre de parar e reflectir um bocadinho...

Com cumprimentos,

Chance Man (ex-JJ)

zeru disse...

O Chance Man tem alguma razão, mas não toda a razão. Então acha que os nossos representantes devem andar em carros, tipo 2 cavalos ou Fiat 600? E não acha que o Museu da Pele vai ser assim uma espécie de Museu do Prado? Oh homem tenha critério!